Início Minas Gerais Belo Horizonte Como curtir o Carnaval em Belo Horizonte

Como curtir o Carnaval em Belo Horizonte

O Carnaval de Belo Horizonte ressurgiu na última década e já se tornou uma das maiores carnavais do país. A capital mineira que ficava deserta durante o feriado, hoje recebe um grande número de turistas, que junto com os belorizontinos enchem as ruas e movimentam dezenas de blocos carnavalescos pela cidade.

História

O primeiro sinal de carnaval na capital mineira foi em 1897 quando em sua construção os operários começaram a desfilar em carros enfeitados na região da Praça da Liberdade. Entretanto, o Carnaval que era festejado por blocos e clubes no começo do século XX, foi diminuindo, até, praticamente, acabar na segundo metade do século XX.

Nas décadas de 1980, 1990 e 2000 Belo Horizonte ficava vazia no carnaval. Quem gostava da festa precisava viajar a alguma cidade do interior de Minas Gerais, onde havia vários tipos de carnavais em diferentes cidades, especialmente nas históricas Ouro Preto e Diamantina, as preferidas dos jovens.

Muita gente não sabe, mas foi um movimento político que foi o embrião do Carnaval. Em 2010, o então prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, proibiu eventos em praças públicas da cidade, especialmente a Praça da Estação o local onde mais havia shows e eventos abertos na cidade. Para protestar contra a proibição, um grupo começou a organizar a “Praia da Estação” um dia em que várias pessoas desembarcavam na praça vestidas com roupa de banho, para tomar sol, jogar frescobol, como se fosse a praia da cidade.

Desse movimento de ocupação de espaços públicos, nasceu o carnaval de Belo Horizonte. Os primeiros blocos precisaram lidar com a repressão dos governos municipal e estadual, que diziam que se ruas fossem fechadas por pessoas em blocos, seria enviado a polícia para liberar a via.

No primeiros anos os blocos duravam pouco tempo, pois a polícia chegava com spray de pimenta para acabar com a festa. Nos anos seguintes, o poder público permitiu a festa, mas não dava nenhum incentivo, nem banheiro público ou ajuda para fechar a rua. Mas, foi aí que a festa começou a ganhar força. Os blocos completamente amadores e improvisados, com pequenos sons, porém muita alegria, começaram a levar um público considerável para a rua.

E o mesmo prefeito, que falava que mandaria a polícia para acabar com os blocos começou a falar que incentivaria a festa, já que estava ajudando a economia da cidade. O prefeito tentou arcar com os gastos dos blocos, que era o aluguel do carro de som e propôs que eles desfilariam em um local fechado, com montagem de camarotes e venda de abadás, porém com o lucro dessas vendas para a prefeitura e empresas privadas.

Os blocos foram contra, não apenas pela hipocrisia, mas sobretudo porque falaram que a essência do carnaval de Belo Horizonte é ser uma carnaval de rua, aberto a todos.

A festa cresceu muito em números, o carnaval que eram alguns blocos de centenas de pessoas, passou a ser de milhares. Em 2015, o Carnaval de Belo Horizonte já tinha 1 milhão de foliões nas ruas.

Com o sucesso de público, alguns blocos começaram a receber patrocínio de empresas e a prefeitura montou edital para ajudar blocos pequenos. O fluxo de viagens durante o carnaval que era de moradores de Belo Horizonte viajando ao interior do estado, passou a se inverter.

Entretanto, essa essencial de movimento político de ocupação de espaços públicos nunca abandonou os primeiros blocos de carnaval, que são também os principais de Belo Horizonte. Por isso, é comum ver faixas e discurso político nos desfiles de carnaval.

Porém, foi a partir de 2015 que o carnaval de Belo Horizonte cresceu e chegou à 1 milhão de . Depois desse ano histórico, o número de pessoas atraídas pelos bloquinhos de rua só cresceu. No ano passado, 2019, esse número chegou a quase 5 milhões. 

Carnaval Hoje em BH

O Carnaval de Belo Horizonte é hoje um dos principais eventos da cidade, recebendo milhões de foliões e ajudando a movimentar a economia da cidade.

Nos anos de 2019 e 2020, a cidade recebeu entre 4 e 5 milhões de foliões, um número bem alto, considerando que a população de Belo Horizonte é de 2,5 milhões de habitantes.

A prefeitura organiza o evento, fornecendo banheiros públicos, fechando ruas e o governo do estado com o policiamento. A festa é organizado, mas há vários gargalos como trânsito, distribuição de blocos pela cidade, falta de banheiros.

O Carnaval de Belo Horizonte é um carnaval de rua. Não existe corda, abadá, ou camarote. Os blocos são todos gratuitos e livres para todos participarem, diferente de outros carnavais famosos como o de Salvador e de Ouro Preto. os foliões costumam a usar fantasias, roupas leves, brilhantes e coloridas. Além disso, a maioria ocorre na parte da manhã, o que não é muito comum no carnaval brasileiro.

Os vendedores ambulantes dos principais blocos são credenciados pela prefeitura e patrocinados pela Skol. Porém, as bebidas são diversificadas, contando com vários tipos de cerveja, destilados e não-alcoólicos.

Blocos de Carnaval

Hoje são mais de 400 blocos oficializados pela prefeitura em 23 dias de festa, ou seja incluindo o pré e pós-carnaval!

Os primeiros blocos da cidade eram uma bateria e um um carro com som com alguém cantando. Apesar de ter aparecido blocos que são apenas uma banda em cima do trio elétrico, os principais blocos mantém sua bateria que vai atrás do carro de som ou trio elétrico.

Os blocos acontecem em todas as regiões de Belo Horizonte, porém com a maior concentração na parte central da cidade.

Existem bloquinhos para todos os gostos. Apesar do axé ser o estilo que mais aparece nos blocos, há blocos de rock, sertanejo, funk, pagode, marchinhas antigas de carnaval, entre outros ritmos.

O Estado de Minas escreveu essa matéria completa com os mapas dos blocos. Deles eu destaco o “Então Brilha!”, “Abalachita”, “Quando Come se Lambuza”, “Volta, Belchior”, “A Luz de Tieta”, “Alô, abacaxi”, “Chama o Síndico”, “Filhos da Puc”, “Baianas Ozadas”, “Havayanas usadas”, “Juventude Bronzeada” e “Funk you”.

Foto: Antonio Thomás Koenigkam

Onde se hospedar para aproveitar o Carnaval de BH

A capital mineira praticamente para durante o carnaval. Por isso, é mais interessante se hospedar no centro, perto de onde ocorre a maior parte dos blocos em Belo Horizonte. Os melhores bairros são a Savassi, o próprio Centro, o Santo Agostinho, o Lourdes, o Santa Efigênia e o Santa Tereza.

Bristol Merit Hotel

Localizado no centro de Belo Horizonte, a localização e o café da manhã recebem diversos elogios! No Booking, sua nota é 8,2 e o hotel possui 4 estrelas. A limpeza e modernidade dos quartos é também fantástica.

Veja preços e faça sua reserva

Br Hostel

Para quem busca um local mais em conta, só para dormir mesmo, sem muita preocupação, esse hostel é excelente. Com 9,2 no Booking, ele se localiza na Savassi e possui um café da manhã muito bom. Um ponto importante é que os quartos são compartilhados.

Veja preços e faça sua reserva

Savassinho Hotel

Com uma localização privilegiada na Savassi, o hotel recebe 8,o no Booking. Além disso, o café da manhã é muito elogiado, assim como os funcionários.

Veja preços e faça sua reserva

Ibis Budget Belo Horizonte Afonso Pena

Quem procura um hotel com um bom custo-benefício e mais simples esse é o ideal. Com 7,8 no Booking, a localização é excelente e possui um bom café da manhã. A limpeza também recebe elogios.

Veja preços e faça sua reserva

Beatriz Costa
Beatriz Costa
Beatriz Costa estudante de jornalismo e isso deixa claro sua paixão por fotografia e escrita. Viajar junta tudo isso com um pouco mais amor.