Foto: Pedro Szekely (CC BY-SA 2.0) Itália / Veneza

Veneza é um destino desejado por muitos turistas ao redor do mundo, especialmente os casais que querem conhecer uma das cidades mais românticas do planeta. Entretanto, o que pode desanimar muita gente de visitar essa incrível cidade é o preço, já que Veneza tem fama de ser uma das cidades mais caras da Europa. Mas, não entre em pânico! Seguindo algumas dicas é possível conhecer Veneza sem gastar quantias exorbitantes.

Leia também: Veneza, uma cidade romântica e única

Por que Veneza é cara?

Primeiro, porque não é apenas você que tem vontade de conhecer a cidade dos canais, mas milhões de pessoas ao redor do mundo. E como Veneza é uma cidade pequena, sua parte histórica não tem como crescer, por isso não comporta um número tão elevado de pessoas.

O outro fator é devido ao transporte. Veneza fica no mar, por isso tudo na cidade chega de barco. As mercadorias chegam de caminhão até Tronchetto ou Santa Marta e de lá partem em pequenos barcos cargueiros até Veneza. Como muitos dos canais são estreitos, os barcos não passam, então as mercadorias são deixadas em alguns pontos de onde carregadores as buscam em carrinhos de mão. Tudo isso faz elevar os preços na cidade.

preços viagem veneza

Foto: gnuckx (CC0 1.0)

Hospedagem

Esse é o quesito mais caro em Veneza! Se você estiver planejando uma viagem na alta temporada e quiser ficar em San Marco, próximo aos pontos turísticos, esteja disposto a pagar mais de R$500 em uma diária de hotel duas estrelas.

Mais afastados dos pontos turísticos ficam os bairros residenciais onde os hotéis são mais baratos, entretanto no verão do hemisfério norte (julho a setembro) será difícil achar hotéis por menos de €80. Se optar por um hotel mais confortável, os preços serão bem mais altos.

Uma dica para quem quer pagar pouco na hospedagem é ficar em Mestre, cidade vizinha localizada na parte continental. Não é a mesma coisa de ficar em Veneza e caminhar pelos canais, porém você pagará quase metade do valor na hospedagem.

Leia também: Onde ficar em Veneza, conheça os melhores bairros e os mais baratos

Foto: gnuckx (CC0 1.0)

Uma outra dica é não viajar na alta temporada, principalmente durante as férias de verão (agosto e setembro). Esse é o período em que os hotéis estão mais caros. Na primavera e no outono você encontrará preços mais convidativos. A época mais barata é o inverno; você encontrará preços incríveis nesse período, mas como o clima é muito frio, não acho que vale a pena viajar nessa estação do ano.

Seguro Viagem

Muita gente esquece de colocar nas contas dos gastos de viagem um item fundamental: o seguro viagem. Para viajar à Europa é obrigatório contratar um seguro viagem com cobertura mínima de 30 mil euro.  Além disso, ele te dá tranquilidade e evita que algum problema de saúde eleve suas despesas de viagem. E despesas médicas são bem altas na Itália!  Para saber preços acesse o site do Seguros Promo, que é uma empresa confiável que faz a cotação em diversas seguradoras e oferece ótimo custo-benefício! Para saber mais sobre seguro viagem leia: Seguro viagem: como pesquisar e onde comprar.

Comida

Esse é outro item caro em Veneza, principalmente se falarmos de refeições. Se você não se importar em trocar uma refeição sentada, por um lanche rápido em pé, economizará bastante. Fast foods como sanduíches e pizzas são baratos; um pedaço de pizza custa €2,50. Por outro lado, uma refeição custa a partir de €15, em um restaurante simples. Quando for comer, a dica é escolher restaurantes afastados dos principais pontos turísticos, onde você encontrará melhores preços. Se sentar em um restaurante na praça São Marcos, principal ponto turístico da cidade, você pagará uns €7 por um café, sem falar no couvert artístico, quando há música ao vivo e custa aproximadamente o mesmo valor, €7. Veja a história noticiada pelo site Terra: Turistas tomam susto com conta em café de Veneza.

Café em Veneza – Foto: an.yonghua (CC BY-NC-ND 2.0)

Atrações turísticas

Veneza possui alguns museus e atrações turísticas pagas, porém o mais interessante da cidade é caminhar por suas ruelas e canais, o que é gratuito. O principal museu da cidade é o Palácio Ducal que custa €27 o ingresso. A torre do relógio, de onde você tem uma bela vista da cidade, também é um local interessante de visitar e custa €8. O passeio de gôndola custa €80. Para saber mais leia: Passeio de gôndola em Veneza: preços, dicas e advertências. O preço de outras atividades pode ser visto nas imagens do Get Your Guide abaixo.

Para quem pretende visitar várias atrações é interessante adquirir o cartão City Pass de Veneza, que é chamado de Venezia Unica. Existem vários tipos de cartões que podem ou não incluir o transporte público da cidade (que é bem caro!); o preço varia de acordo com a quantidade de atrações, quantidade de dias e idade. No geral, possui uma média de desconto de 30% em relação às bilheterias. O cartão mais completo, que também inclui transporte, custa: €50 (1 dia), €90 (3 dias) e €140 (7 dias).

Museu Palácio Ducal (Palácio do Doge)

Média de gastos

A média de gastos em Veneza é muito variável, pois há grande variação se você se hospedar em Veneza ou em Mestre, se comerá em restaurantes ou se fará lanches. Mas, podemos dizer que para uma viagem econômica, a média de gastos diários, por pessoa, seria a partir de €60 (R$240), se hospedando em Mestre. Quanto mais passeios e restaurantes você frequentar, mais cara ficará sua viagem. Podemos dizer que com €100 (R$400) diários é possível aproveitar bem uma viagem à Veneza, se hospedando em um hotel simples, mas em Veneza. Para se hospedar em um hotel confortável e bem localizado e ainda comer em bons restaurantes prepare-se para gastar €250 (R$1.000) por dia.

Leia também nossas outras matérias sobre a Itália:

-7 dicas essenciais da Itália

-Melhores meses para viajar à Itália

-É caro viajar para a Itália? Veja quanto custa uma viagem à Roma

-Museus do Vaticano: todas as dicas que você precisa saber

-Atrações de Roma, veja preços e quanto tempo necessário

Foto de capa: Pedro Szekely (CC BY-SA 2.0)

Felipe Zig

Felipe Zig é jornalista, fotógrafo e apaixonado por viajar. Depois de conhecer mais de 20 países, decidiu criar o blog “Abrace o Mundo” para dar dicas de viagens e incentivar outras pessoas a viajar.